Incapacidade Intelectual ou Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais

Ao longo dos tempos, esta categoria diagnóstica tem sofrido alterações tendo sido usados diferentes termos para designar o mesmo: oligofrenia, deficiência mental, deficiência intelectual e

perturbação do desenvolvimento intelectual. Atualmente, o manual de diagnóstico mais usado para classificar as doenças e perturbações mentais adotou o termo Incapacidade Intelectual mas há também movimentos científicos que consideram que Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais é a designação mais correta. Neste sentido, adotaremos aqui estes dois termos.

A incapacidade intelectual ou dificuldades intelectuais e desenvolvimentais é uma perturbação com início durante o período de desenvolvimento que inclui défices no funcionamento intelectual e adaptativo nos domínios conceptual, social e prático.

Assim sendo, as pessoas com dificuldades intelectuais apresentam:

– défices em funções intelectuais como raciocínio, resolução de problemas, planeamento, pensamento abstrato, discernimento, aprendizagem académica e aprendizagem pela experiência;

– défices no funcionamento adaptativo que resultam na falha em atingir os padrões de desenvolvimento e socioculturais de independência pessoal e responsabilidade social. Sem suporte contínuo, os défices adaptativos limitam o funcionamento numa ou mais atividades da vida diária, como comunicação, participação social e subsistência independente em múltiplos ambientes como casa, escola, trabalho e comunidade.

É característico, ainda, deste diagnóstico estes défices terem início durante o período de desenvolvimento podendo ser de diferentes níveis de gravidade fazendo emergir diferentes graus de incapacidade intelectual:

– Ligeira

– Moderada

– Grave

– Profunda.

Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais – DSM-5 (2013).